Quarta, 01 de Abril de 2015.
Conservadorismo no Congresso quer acabar com direitos de crianças e adolescentes
Para parte da Câmara dos Deputados, proposta que reduz idade penal para 16 anos é constitucional
Carregando...

Foto mostra manifestantes nos corredores do Congresso Nacional segurando cartazes com dizeres contrários à redução da maioridade penalSem poder entrar no Plenário de votação, manifestantes protestam nos corredores da Câmara dos Deputados (foto: Rafael Werkema/CFESS)

 

Aos poucos, os direitos de crianças e adolescentes estão sendo engolidos pela onda de conservadorismo do Congresso Nacional.

 

Pelo menos este é o sentimento comum de quem vem acompanhando, nas duas últimas semanas, a batalha na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, em Brasília, contra a redução da maioridade penal.

 

Nesta terça-feira (31/3), por 42 votos a 17, parlamentares aprovaram a admissibilidade da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 171/1993) que passa de 18 para 16 anos a idade penal. Isso significa dizer que, para a CCJ, a PEC é constitucional, ainda que juristas e o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Ayres Britto, confirmem que a proposta fere cláusula pétrea da Constituição Federal.

 

Entretanto, mesmo que a votação do dia 31 seja considerada uma derrota para quem defende o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), como o CFESS e outras entidades, é preciso que as entidades e os movimentos sociais continuem mobilizadas, fortalecendo o #NãoàReduçãoDaMaioridadePenal, especialmente no ano em que serão realizadas as Conferências da Criança e do Adolescente em todo o país e que a PEC tramitará no Congresso Nacional.

 

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), criou nesta terça-feira a comissão especial de parlamentares que analisará o conteúdo da PEC. A comissão terá o prazo de até quarenta sessões do Plenário para proferir parecer. Nesse meio tempo, parlamentares podem ouvir especialistas no assunto, receber emendas, etc. Depois de analisada, a Proposta de Emenda Constitucional deverá ser votada duas vezes no Plenário da Câmara. E, em seguida, passar pelo Senado, também em dois turnos, para virar lei. A tramitação da PEC ainda pode ser questionada no Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Entidades contrárias à redução da maioridade penal, além de deputados e deputadas, garantiram que utilizarão todos os recursos nessas instâncias para que a PEC não se transforme em lei.

 

Vale lembrar que caso a proposta aprovada e promulgada pelo Congresso, adolescentes de 16 e 17 anos de idade poderão responder e ser punidos criminalmente da mesma forma que pessoas adultas, seguindo o Código Penal, e não mais seguindo as normas do ECA.

 

Mobilização no Congresso

Desde a semana passada, o CFESS vem acompanhado as sessões e audiências na Câmara sobre a temática. Na manhã da segunda-feira (30/3), foi organizada uma coletiva de imprensa para apresentar à mídia os inúmeros argumentos contrários à redução da idade penal. Além do CFESS, participaram da coletiva entidades como a Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e Adolescente Seção DCI Brasil (Anced), o Conselho Federal de Psicologia (CFP), o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), o Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes), a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Rede Evangélica Nacional de Ação Social (Renas) e a Rede Nacional de Defesa do Adolescente em  Conflito com a Lei (Renade).

 

Foto mostra representantes de diversas entidades, inclusive do CFESS, durante coletiva de imprensa

Coletiva de imprensa reuniu diversas entidades contrárias à redução da idade penal (foto: Rafael Werkema/CFESS)

 

“Nós, assistentes sociais, trabalhamos diretamente com adolescentes que cumprem medidas socioeducativas e sabemos que elas podem ser eficazes se realizadas dentro da perspectiva preconizada pelo ECA. Defendemos a implementação do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). A redução da idade penal é uma medida  punitiva que não resolve a violência no Brasil, pelo contrário, a tendência é que ela aumente”, disse Esther Lemos, vice-presidente do CFESS, durante a coletiva.

 

Segundo ela, no Brasil, adolescentes entre 12 anos e 18 anos já assumem responsabilidade penal. “Precisamos é descontruir os mitos criados neste tema e defender a implantação de políticas de proteção integral que de fato priorizem crianças e adolescentes no país”, completou.

 

Na parte da tarde, quando a CCJ começou a sessão extraordinária para analisar a PEC, as entidades já tinham mobilizado centenas de manifestantes, na tentativa de tirar a proposta da pauta e pressionar a casa a não votá-la. Enquanto isso, o CFESS preparou diversos cartazes com argumentos contrários à redução.

 

O acesso ao Plenário 1 da Câmara foi restrito para as pessoas que manifestavam posição contrária à PEC e somente 15 pessoas foram autorizadas a entrar. Entre estas, a vice-presidente do CFESS.

 

Do lado de fora da sessão, manifestantes gritavam “Não à redução”.  E fora da Câmara, estudantes da Universidade de Brasília (UnB), que tiveram sua entrada barrada pela Política Legislativa do Congresso, batucavam e proferiam outras palavras de ordem, como “chega de prisão, a juventude quer mais educação”.

 

Entretanto, a força da mobilização e os argumentos concretos de parlamentares que são contra a proposta não foram capazes de impedir a votação da PEC, que ocorreu na manhã de terça (31).

 

Foto mostra estudantes da UnB que tiveram a entrada barrada na Câmara

Estudantes da UnB tiveram a entrada barrada na Câmara (foto: Rafael Werkema/CFESS)

 

Serviço Social se mantem firme na luta!

Como é de conhecimento da categoria, o Conjunto CFESS-CRESS é contrário à PEC, fundamentando seu posicionamento no Código de Ética profissional. Além disso, esta posição é uma deliberação do Encontro Nacional CFESS-CRESS, que reúne assistentes sociais da base e das direções dos Conselhos e é o maior espaço deliberativo da categoria.

 

Nesse sentido, o Conselho Federal e os Regionais defendem que crianças e adolescentes são sujeitos de direitos. Em razão de sua condição específica de pessoa em desenvolvimento, necessitam de uma proteção e justiça especializada, diferenciada e integral. Por isso, dizem não para qualquer proposta de redução da maioridade penal e defendem intransigentemente as políticas públicas para a infância e juventude e a implementação do ECA em sua totalidade.

 

Foto mostra mulher segurando cartaz com os dizeres Assistente Social diz não à redução

Jovem segura cartaz "Assistente Social diz não à redução"  (foto: Rafael Werkema/CFESS)

 

 

Para saber mais

Folder do CFESS Reduzir a maioridade penal e o aumento do tempo de internação de adolescentes? Sou contra! 

 

Nota de repúdio à PEC 171/1993

 

Nota pública sobre a redução da idade penal e ampliação do tempo de internação

 

CFESS Manifesta 20 anos do ECA

 

18 razões para a não redução da maioridade penal

 

Saiba mais dos mitos e verdades sobre a redução da maioridade penal

 

Nota do FNTSUAS em repúdio à redução da maioridade penal

 

Como outros países abordam as infrações cometidas por adolescentes

 

Relembre também

PEC ameaça direito de crianças e adolescentes

 

A não redução da maioridade penal é motivo para comemorar!

 

Conselho Federal de Serviço Social - CFESS

Gestão Tecendo na luta a manhã desejada – 2014/2017
Comissão de Comunicação

Rafael Werkema - JP/MG 11732

Assessoria de Comunicação
comunicacao@cfess.org.br

Quem somos
Autarquia pública federal que tem a atribuição de orientar, disciplinar, normatizar, fiscalizar e defender o exercício profissional do/a assistente social no Brasil, em conjunto com os Conselhos Regionais de Serviço Social (Cress).
Cadastre-se
E receba por e-mail nosso CFESS Informa, informativo eletrônico com as principais notícias sobre o Serviço Social brasileiro
Conecte-se
O CFESS também esta nas redes sociais
Endereço
Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
SCS Quadra 2 Bloco C Ed. Serra Dourada - Salas 312/318
CEP: 70300-902 - Brasília - DF
Tel: (61) 3223-1652
Tel: (61) 3223-2420
Funcionamento: de segunda a sexta de 12h às 18h. Dúvidas e sugestões pelo Fale Conosco.