Segunda, 17 de Dezembro de 2012.
FNTSUAS realiza seu primeiro seminário
Evento debate “identidade, representação e representatividade dos trabalhadores nos espaços públicos”
Carregando...

Representante do CFESS no FNTSUAS, Esther Lemos (centro) coordenou a mesa com palestra do professor Mauro Iasi (esq.) (fotos: Diogo Adjuto)

Nos dias 14 e 15 de dezembro, o Fórum Nacional de Trabalhadores e Trabalhadoras do Sistema Único de Assistência Social (FNTSUAS) realizou seu 1º seminário nacional. Com o tema "Identidade, representação e representatividade dos trabalhadores nos espaços públicos", o evento foi realizado no auditório do Instituto de Química da Universidade de Brasília (UnB) e reuniu cerca de 60 pessoas de todo o Brasil. Das 13 entidades nacionais que compõem a coordenação nacional do Fórum, participaram oito: ABRATO, UBAM, FNS, FENAPSI, COFITTO,  CONFETAM, CFP e CFESS. Participaram ainda trabalhadores/as e representantes de FETSUAS (Fóruns estaduais) da região sul (RS, SC e PR), sudeste (SP, RJ, MG e ES), nordeste (BA, CE, PE e PI), norte (PA e RR), centro-oeste (MS e DF). Também estiveram presentes representantes de diversos CRESS.

A mesa de abertura teve a participação da presidente do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), Luziele Tapajós, do coordenador da Gestão do Trabalho no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), José Crus, e da representante da coordenação nacional do FNTSUAS, Ana Lucia Soares.

Em seguida, a conferência "O mundo do trabalho e a gestão pública" deu prosseguimento ao evento, com a palestra do professor da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Mauro Iasi. A mesa foi coordenada pela representante do CFESS no FNTSUAS, conselheira Esther Lemos.

Na palestra, o professor fez um histórico sobre o processo de surgimento da crise do capital, bem como de seus efeitos na realidade da classe trabalhadora. Além disso, falou também sobre os métodos de dominação e opressão construídos pela burguesia. Segundo Mauro Iasi, a partir dos fundamentos do pensamento social marxiano, "o que vemos é a intensificação do processo de exploração do trabalho, o rebaixamento dos salários, o barateamento dos processos de produção, a ampliação dos mercados externos e a transferência do capital das indústrias para o setor bancário, o que consequentemente agrava a situação de desemprego e o crescimento de uma superpopulação de reserva", reflete o professor.

Ele acrescenta que a lógica capitalista faz com que o fundo público seja disputado com o capital financeiro, resultando em perdas para a classe trabalhadora, que passam a ter de atuar em um cenário desfavorável, porém em um cenário que também legitima a luta dessa classe. "Diante disso, o/a trabalhador/a do SUAS se coloca em um dilema: resistir a essa correlação de forças ou ceder a uma correlação que acaba por atender aos interesses apenas de uma parcela. Isso, porque, infelizmente, no sistema capitalista a vitória de um significa a derrota do outro", conclui Mauro Iasi.

A partir desta reflexão, o debate sobre o tema teve continuidade com a participação de José Crus (MDS) e Jucileide Nascimento (FETSUAS-BA) analisando quem é o/a trabalhador/a do SUAS e seu papel na efetivação da política de assistência social.

Outras duas mesas foram organizadas e debateram especificamente a representação e representatividade dos/as trabalhadores do SUAS. Uma mesa na sexta-feira à tarde tendo a participação de Márcia Biondi Pinheiro, presidente do CNAS na gestão 2009/2010, bem como de Joari de Carvalho (FETSUAS-SP) e Solange Leite (FNTSUAS), debatendo especificamente os espaços dos Conselhos de Assistência Social. Outra mesa no sábado pela manhã iniciou com a exposição, por Geová Morais (FETSUAS-BA), da experiência sobre a Mesa de Negociação no município de Lauro de Freitas (BA) e, por Marilena Silva (FETSUAS-PR), da experiência no município de Curitiba (PR). Como debatedora, as reflexões foram trazidas pela Desembargadora Federal Salete Maccalóz, professora de Direito do Trabalho na UFRJ. 

Para a conselheira do CFESS Esther Lemos, o 1º seminário do FNTSUAS simbolizou o esforço e a organização de profissionais que estão "trabalhando coletivamente no sentido de construir a unidade dos/as trabalhadores/as do SUAS como classe trabalhadora, que cotidianamente faz acontecer o SUAS num contexto marcado por processos de precarização do trabalho.  A defesa e qualidade do SUAS passa pelo reconhecimento e valorização do trabalho de um universo heterogêneo de trabalhadores/as, que entendem a diferença que seu trabalho pode produzir na sociedade brasileira: a superação e luta contra a desigualdade social".

NOVA NOB-SUAS
Na última quarta-feira (12), o colegiado do CNAS, reunido em Brasília (DF), aprovou o novo texto da Norma Operacional Básica do SUAS (NOB-SUAS), que orienta e define a operacionalização do Sistema Único de Assistência Social. Segundo a conselheira do CFESS Marlene Merisse, que participa do CNAS como observadora, "esta NOB tem um significado político particular, pois incorpora todas as normativas construídas desde a NOB-SUAS de 2005, incluindo a NOB-RH, Decretos e Resoluções do CNAS, que deram materialidade à Política de assistência social e que estão expressas no novo texto da LOAS publicado pelo Decreto 12.435/2011".

Dentre as novidades da normativa, podem ser destacadas:

- adequação da norma à nova legislação da Assistência Social, a Lei 12.435 (Lei do SUAS);

- instituição do Pacto de Aprimoramento firmado entre União, Estados, DF e Municípios, como materialização das metas e prioridades nacionais no âmbito do SUAS, induzindo ao aprimoramento dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais;

- Planejamento e elaboração do Plano de Assistência Social a cada quatro anos (PPA), com revisão anual, contemplando as indicações, prioridades e metas do Pacto de Aprimoramento;

- a incorporação do processo de acompanhamento da gestão descentralizada, que prevê a aplicação de medidas administrativas como a comunicação ao Ministério Público, exclusão das expansões de cofinanciamento, bloqueio temporário, suspensão dos recursos do cofinanciamento e até o descredenciamento do equipamento da rede socioassistencial;  

- a alteração nos níveis de gestão;

- redimensiona a vigilância socioassistencial, atribuindo-lhe maior papel e dinamismo; 

- Propõe ações que visam à desprecarização do trabalho e à estruturação do processo de trabalho institucional;

- especifica o papel dos conselhos de assistência social e destaca sua importância no controle social, atribuindo destaque para a organização e participação dos/as usuários/as e dos/as trabalhadores/as do SUAS.

Em breve, a nova NOB-SUAS estará disponível no site do CNAS.

Clique e acesse o blog do FNTSUAS



Coordenação do FNTSUAS durante o evento

Curta o CFESS no Facebook e siga-nos no Twitter
No Facebook: http://www.facebook.com/CfessOficial
No Twitter: https://twitter.com/#!/CfessOficial
No Youtube: http://www.youtube.com/user/CFESSvideos

Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
Gestão Tempo de Luta e Resistência – 2011/2014
Comissão de Comunicação

Diogo Adjuto - JP/DF 7823
Assessoria de Comunicação
comunicacao@cfess.org.br


Quem somos
Autarquia pública federal que tem a atribuição de orientar, disciplinar, normatizar, fiscalizar e defender o exercício profissional do/a assistente social no Brasil, em conjunto com os Conselhos Regionais de Serviço Social (Cress).
Cadastre-se
E receba por e-mail nosso CFESS Informa, informativo eletrônico com as principais notícias sobre o Serviço Social brasileiro
Conecte-se
O CFESS também esta nas redes sociais
Endereço
Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
SCS Quadra 2 Bloco C Ed. Serra Dourada - Salas 312/318
CEP: 70300-902 - Brasília - DF
Tel: (61) 3223-1652
Tel: (61) 3223-2420
Funcionamento: de segunda a sexta de 12h às 18h. Dúvidas e sugestões pelo Fale Conosco.