Acessibilidade       A+  A-          Botão Libras  Botão Voz          
O que você procura?
Quinta, 17 de Maio de 2012.

Marcha reivindica aprovação de PL contra homofobia
Mobilização aconteceu em Brasília, no último dia 16. Assistentes sociais marcaram presença

Marcha Nacional contra a Homofobia coloriu o dia cinzento de Brasília (fotos: Rafael Werkema)

"Homofobia tem cura: educação e criminalização". Esta foi a chamada para a 3ª Marcha Nacional contra a Homofobia, que aconteceu nesta quarta-feira, 16 de maio, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF). A mobilização fez parte das atividades organizadas pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (ABGLT) pelos direitos LGBT e que terminam hoje, dia 17, quando se celebra o Dia Mundial de Combate à Homofobia. Assistentes sociais e estudantes de Serviço Social marcaram presença na Marcha, que teve o apoio de diversas entidades, inclusive do CFESS.

"Pelo terceiro ano consecutivo, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais de norte a sul do Brasil se dirigem à capital do país para denunciar a violência e a discriminação contra a população LGBT. O Governo Federal e o Congresso Nacional devem assumir o compromisso de enfrentar concretamente a chaga da homofobia", disse Carlos Magno, coordenador da Marcha.

A mobilização começou em frente ao Palácio do Planalto e seguiu até o Congresso Nacional. Representantes de diversas entidades, partidos políticos e movimentos sociais se manifestaram, exigindo a aprovação de um projeto de lei que criminalize a homofobia.

Os/as participantes também criticaram os recentes retrocessos do Governo Federal no que diz respeito às políticas públicas para LGBT, citando o veto ao material didático-pedagógico do projeto Escola sem Homofobia, que foi descartado por pressão dos fundamentalistas religiosos que têm mandato parlamentar no Congresso Nacional, a ausência da Presidente Dilma Roussef na 2ª Conferência Nacional LGBT, realizada em dezembro do ano passado, e o veto direto do Palácio do Planalto às peças publicitárias produzidas pelo Ministério da Saúde direcionadas a jovens gays e transexuais, na campanha de prevenção de aids no Carnaval desse ano.

A Marcha Nacional contra a Homofobia foi marcada também pela irreverência no momento de se cobrar do Executivo e do Legislativo ações em defesa dos direitos LGBT. Cantos como "Ô Dilma, pisou na bola, homofobia continua na escola!" e as bandeiras das cores do arco-íris coloriram a Esplanada. Faixas reivindicando o Estado laico, ou dizendo não ao racismo, machismo e homofobia, foram as mais frequentes.

Muitos/as estudantes, inclusive crianças, se juntaram à marcha, mostrando que a luta contra a homofobia e o preconceito deve começar desde cedo, ainda na escola. 


Pelo 3º ano consecutivo os/as assistentes sociais e o Conjunto CFESS-CRESS marcaram presença

Serviço Social segue na luta pelos direitos LGBT
Pelo terceiro ano consecutivo, assistentes sociais e estudantes de Serviço Social participaram da Marcha, bem como o Conjunto CFESS-CRESS, com representantes dos Regionais e do Conselho Federal.

"O Serviço Social vem, a cada dia, incorporando mais a luta pelos direitos da população LGBT", afirmou a professora de Serviço Social da Universidade de Brasília (UnB), Valdenísia Peixoto, citando a campanha nacional do Conjunto CFESS-CRESS pela liberdade de orientação e expressão sexual "O amor fala todas as línguas: assistente social na luta contra o preconceito". Cartazes foram distribuídos durante a mobilização.

A assessora especial do CFESS e assistente social, Adriane Dias, destacou outros instrumentos teórico-político-normativos do Conjunto CFESS-CRESS em relação à defesa dos direitos da população LGBT. "Temos nosso Código de Ética, que traz princípios em defesa da liberdade, autonomia, diversidade da pessoa humana, e de luta contra a discriminação por orientação sexual, gênero, identidade de gênero e etnia; a Resolução 489/2006, que estabelece normas vedando condutas discriminatórias ou preconceituosas, por orientação e expressão sexual por pessoas do mesmo sexo, no exercício profissional do/a assistente social; e a Resolução 615/2011, que permite à assistente social travesti e ao/à transexual a utilização do nome social na carteira e na cédula de identidade profissional", completou.

Para o assistente social e conselheiro do CRESS-GO, Josué Vieira Filho, a participação da categoria em movimentos sociais, inclusive o LGBT, fortalece a luta por uma sociedade emancipada. "As mobilizações e as passeatas são momentos fundamentais em que concretizamos nosso combate às diferentes expressões de homofobia, lesbofobia e transfobia. Essa marcha nos possibilita cobrar de perto do Governo Federal e do Congresso Nacional os direitos LGBT", disse. Ele destacou também a participação dos/as assistentes sociais no controle social, especialmente nos conselhos de direitos em nível municipal, estadual e federal, para acompanhar de forma aprofundada a formulação, supervisão e da avaliação das políticas públicas.

No âmbito da universidade, o debate precisa ser ainda mais recorrente. Pelo menos foi o que disseram os/as estudantes de Serviço Social da UnB Hyago Brayhan e Lariza Cerri. Hyago afirmou que as universidades ainda são palco de expressões homofóbicas e, nesse sentido, é preciso que se discuta, de forma ampla, mas também aprofundada, a questão LGBT na Academia. Lariza fez críticas ainda mais contundentes: "Não é só o Serviço Social ou outros cursos de Ciências Humanas que devem abordar o tema, mas a Universidade como um todo".


A concentração da Marcha aconteceu em frente ao Palácio do Planalto e seguiu até o Congresso Nacional

Dia Mundial de Combate à Homofobia
Neste dia 17 de maio, o CFESS vem a público manifestar posição de respeito à livre orientação sexual e à livre identidade de gênero, somando-se à resistência coletiva do movimento LGBT, feminista e de todos aqueles que se propõem a desconstruir o patriarcado heterossexista.

Leia o CFESS Manifesta sobre o Dia Mundial de Combate à Homofobia lançado em 2011

Veja também o manifesto lançado Na 2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos de LGBT

Confira outras fotos da Marcha



















Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
Gestão Tempo de Luta e Resistência – 2011/2014
Comissão de Comunicação

Rafael Werkema - JP/MG 11732
Assessor de Comunicação
comunicacao@cfess.org.br