Sexta, 18 de Outubro de 2013.
Ato público é política, samba e poesia
Mobilização ocupa as ruas de Águas de Lindóia e faz história no serviço social
Carregando...

Ato ocupou as ruas da cidade paulista (foto: Diogo Adjuto)Ato ocupou as ruas da cidade paulista (foto: Diogo Adjuto)

 

Que os cantos e sonhos
repousados em Lindóia
irrompam, tal qual rebentam as águas 
que superem as travas (...)

Que confrontem as balas, silenciem fuzis
Que dê vida a “Amarildos” dos diversos Brasis
Onde uma amada, beijada N’outra amada feliz
Goze a força da luta sepultando imbecis!

Nademos, pois a corrente do livre
Sobre os “Belos Montes” de um cárcere
Que o trabalho ainda vive
A corrente arregace!

Social, um serviço de vida a batalha é cumprida...
Só até que ela passe, eis a luta de classe!
Essa rompe um sistema – capital e maldade
E por isso cantemos:

“Se não tem movimento não terá liberdade!”
 

(Atnágoras Lopes – CSP-Conlutas)
 

A poesia acima, escrita por um companheiro de luta do serviço social, dá uma ideia do que foi o Ato Público do 14º CBAS em Águas de Lindóia (SP). Um momento marcado por emoções, pelo fortalecimento da aliança do Serviço Social com os movimentos sociais e sindicais e, principalmente, por gritos coletivos em defesa da liberdade e da emancipação humana.
 

Águas de Lindóia, uma das estâncias hidrominerais de São Paulo, cidade turística e tranquila  com quase 18 mil habitantes, teve o sono interrompido com as palavras de ordem de milhares de assistentes sociais e estudantes, durante a mobilização que tomou as ruas centrais do município. “Estou na rua, é pra lutar, e a sociedade transformar!”,  gritava a manifestação às 21h, enquanto as pessoas abriam as janelas de suas casas e piscavam as luzes de suas casas e apartamentos, em apoio àquelas que estavam nas ruas.
 

Teve palavra de ordem pela livre orientação sexual, pela implementação das 30 horas, pela luta do movimento estudantil, e gritos contra a violação de direitos. Para muitos e muitas ali, era a primeira vez que participavam de um ato público! E faixas e cartazes coloriram a mobilização.

 

Leia o documento Sem movimento não há liberdade: luta e resistência contra a repressão ontem e hoje, que traz as principais bandeiras levantadas pelo ato público!

 

Estudantes e assistentes sociais marcharam nas ruas de Águas de Lindóia (foto: Diogo Adjuto)Estudantes e assistentes sociais marcharam nas ruas de Águas de Lindóia (foto: Diogo Adjuto)
 

Após a caminhada, participantes voltaram ao auditório central do hotel para escutar as falas dos movimentos sociais e sindicais, além das entidades representativas. Ao final, ainda tiveram um show de cultura com a cantora Cida Lobo. Abaixo, um breve extrato do que foi falado no ato.
 

Além dos movimentos abaixo listados, também compareceram ao ato a Fenasps, o Movimento Passe Livre da Paraíba, a Frente Nacional Drogas e Direitos Humanos e a Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ).
 

“Nosso ato não se encerra aqui. Precisamos dar continuidade às mobilizações que tomaram as ruas com os movimentos sociais e parceiros de luta”. (Eloísa Gabriel, do CRESS-SP)
 

“A luta deve ser coletiva. Estamos aqui defendendo a liberdade de expressão. O Governo Dilma está privatizando o Brasil. Estão privatizando nossa riqueza”. (Atnágoras Lopes, da CSP-Conlutas)
 

“A classe trabalhadora é historicamente violentada. 57% dos desaparecidos no período da Ditadura Militar foram trabalhadores”. (San Romanelli, da Comissão Nacional da Verdade)
 

“A Frente Nacional contra a Privatização da Saúde não concorda com os rumos da política de saúde brasileira que está na contramão dos princípios da Reforma Sanitária”. (Maria Inês Bravo , da Frente Nacional contra Privatização da Saúde).

 

Montagem de imagem com fotos de Eloísa (CRESS-SP), Atnágoras (CSP-Conlutas), San Romanelli (Comissão da Verdade) e Inês Bravo (Frente)Eloísa (CRESS-SP), Atnágoras (CSP-Conlutas), San Romanelli (Comissão da Verdade) e Inês Bravo (Frente Saúde) (Foto: Diogo Adjuto) 
 

“A categoria de assistentes sociais é de luta. Não devemos tirar nossos pés das ruas, porque se o fazemos, a direita acaba ocupa nossos espaços”. (Eduardo, da Central de Movimentos Populares)
 

“Nos estamos sofrendo com a precarização da formação, do trabalho, da vida. Estão exterminando nossos direitos e nossa gente. Estamos aqui pela nossa liberdade” (Mirla Cisne, da ABEPSS)
 

“Em 12 anos, os Governos Lula e Dilma demarcaram menos terras do que o Governo Collor. A população Guarani-Kaiowá é vítima de genocídio”. (Israel, do Movimento Indígena).
 

“Estamos aqui construindo a resistência. É o movimento da classe trabalhadora contra o leilão da vida. Reafirmamos nosso compromisso de avançar num projeto educacional para emancipação”. (Marina Barbosa, do ANDES-SN).

 

Montagem com as fotos de Eduardo (CMP), Mirla (ABEPSS), Israel (Movimento Indígena) e Marina (ANDES-SN)Eduardo (CMP), Mirla (ABEPSS), Israel (Movimento Indígena) e Marina (ANDES-SN) (Foto: Diogo Adjuto) 
 

“Não podemos nos calar diante da violência sofrida pelas mulheres brasileiras. Mulheres que morrem vítimas de aborto, vítimas de agressões. Não há liberdade sem igualdade. Não há igualdade sem feminismo”. (Sônia, da Marcha Mundial das Mulheres)
 

“Nossa juventude negra está sendo exterminada. É fundamental o engajamento do serviço social na luta contra o racismo em nosso país. As mudanças só ocorrerão com um projeto coletivo”. (Junior, Círculo Palmarino - Movimento Negro)
 

“Lutamos pela terra, lutamos pela Reforma Agrária, lutar por uma sociedade justa e igualitária. Força e resistências às nossas ocupações e acampamentos”. (Simone, do Movimento de Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Terra).

 

Montagem com as fotos de Sônia (Marcha das Mulheres), Junior (Movimento Negro) e Simone (MST)Sônia (Marcha das Mulheres), Junior (Movimento Negro) e Simone (MST)  (Foto: Diogo Adjuto) 
 

“O que nos une aqui é o projeto libertário. Chega de racismo, machismo, homofobia”. (Martha, Articulação de Mulheres Brasileiras)
 

“Eu sou de luta, sou radical, sou estudantes de Serviço Social! As jornadas de junho nos deram esperança e o movimento estudantil não sairá das ruas”. (Giovany Simon, da ENESSO) 
 

“Esse ato é mais um momento histórico e especial para a categoria, porque mais uma vez reúne verdadeiros aliados de luta e afirma o acerto da campanha de gestão do Conjunto CFESS-CRESS – Sem Movimento não há Liberdade, campanha que expressa nosso compromisso com a defesa intransigente dos direitos humanos e a vinculação de nosso projeto profissional com um projeto de sociedade que supere a exploração e todas as formas de opressão” (Juliana Melim, conselheira do CFESS)

 

Montagem com as fotos de Martha (AMB), Giovanny (ENESSO) e Juliana (CFESS)Martha (AMB), Giovanny (ENESSO) e Juliana (CFESS) (foto: Diogo Adjuto)

 

Conheça o samba do 14º CBAS - Samba sem liberdade não há movimento

Águas de Lindóia

Nos acolheu (ah, nos acolheu)

Para realização

Dessa manifestação

Que integra o CBAS (o CBAS)

É O CONGRESSO TRIENAL

QUE REÚNE NO BRASIL

ASSISTENTES SOCIAIS

 

No dia a dia

Da nossa profissão (da profissão)

Direitos humanos violados

Trabalhadores explorados

A crise é motivo de alarde

SE O MOVIMENTO É IMPEDIDO

DURAMENTE REPRIMIDO

É NEGADA A LIBERDADE

 

O coro come

O bloco passa

A militância

Desmonta a farsa

Na energia da multidão

A nossa luta é por transformação

 

(Rodrigo Lima)

 

Veja mais fotos da manifestação:

 

Após as atividades do penúltimo dia de CBAS, participantes se mobilizaram com pirulitos e gritos de guerra (foto: Diogo Adjuto)Após as atividades do penúltimo dia de CBAS, participantes se mobilizaram com pirulitos e gritos de guerra (foto: Diogo Adjuto)

 

Populacão saiu nas janelas e manifestou apoio à marcha do CBAS (foto: Diogo Adjuto)Populacão saiu nas janelas e manifestou apoio à marcha do CBAS (foto: Diogo Adjuto)

 

Grupo volta ao local do evento, para ouvir os movimentos sociais (foto: Diogo Adjuto)Grupo volta ao local do evento, para ouvir os movimentos sociais (foto: Diogo Adjuto)

 

Pirulitos com reivindicações e lutas foram distribuídos aos/ás participantes do CBAS (foto: Diogo Adjuto)Pirulitos com reivindicações e lutas foram distribuídos aos/ás participantes do CBAS (foto: Diogo Adjuto)

 

Confira a cobertura completa do CBAS:

Penúltimo dia de congresso debate saúde, previdência social, questão urbana e articulação internacional

 

CBAS recebe assistentes sociais de outros países

 

Ética, questão social e saúde marcam as palestras do segundo dia do CBAS

 

Com três mil participantes, começa o 14º CBAS em Águas de Lindóia

 

 

Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
Gestão Tempo de Luta e Resistência – 2011/2014
Comissão de Comunicação

 

Diogo Adjuto - JP/DF 7823
Rafael Werkema - JP/MG 11732

Assessoria de Comunicação
comunicacao@cfess.org.br

Quem somos
Autarquia pública federal que tem a atribuição de orientar, disciplinar, normatizar, fiscalizar e defender o exercício profissional do/a assistente social no Brasil, em conjunto com os Conselhos Regionais de Serviço Social (Cress).
Cadastre-se
E receba por e-mail nosso CFESS Informa, informativo eletrônico com as principais notícias sobre o Serviço Social brasileiro
Conecte-se
O CFESS também esta nas redes sociais
Endereço
Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
SCS Quadra 2 Bloco C Ed. Serra Dourada - Salas 312/318
CEP: 70300-902 - Brasília - DF
Tel: (61) 3223-1652
Tel: (61) 3223-2420
Funcionamento: de segunda a sexta de 12h às 18h. Dúvidas e sugestões pelo Fale Conosco.