Acessibilidade       A+  A-          Botão Libras  Botão Voz          
O que você procura?
Quinta, 17 de Outubro de 2013.

CBAS recebe assistentes sociais de outros países
Plenárias simultâneas do terceiro dia debateram temas como política de assistência social, diversidade sexual, organização política da categoria e drogas

Plenária que discutiu assistência social trouxe debates importantes (foto: Diogo Adjuto)Plenária que discutiu assistência social trouxe debates importantes (foto: Diogo Adjuto)

 

O terceiro dia (16/10) do 14º Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais (CBAS) começou com quatro plenárias simultâneas e debates acalorados.

 

Na mesa que debateu o trabalho de assistentes sociais na política de assistência social, as professoras Mavi Pacheco (UFRJ), Ivanete Boschetti (UnB) e Aldaíza Sposati (PUC-SP), e a secretária nacional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Denise Colin, abordaram os desafios do trabalho da categoria na política, analisando se houve ou não avanços no combate à pobreza e à desigualdade no país e se o sistema de proteção social brasileiro é aquele defendido pelo projeto ético-político da profissão.

 

Para Mavi Pacheco, o cenário atual é o de “assistencialização” da seguridade social, haja vista o padrão de proteção social brasileiro que ela definiu como pobre e focalizado, que mesmo voltado para as camadas mais miseráveis da sociedade, não tira a classe trabalhadora da condição subalternizada e não amplia direitos. 

 

Já a secretária nacional do MDS, Denise Colin, afirmou que há avanços na política de assistência social frente à realidade econômica, política e social brasileira, e um deles é a redução da extrema pobreza no país. Ela falou também do trabalho de assistentes sociais, que deixaram de ser operadores de programas para efetivar direitos.

 

Nessa mesma linha, a professora Aldaíza Sposati defendeu a política, criticando quem chama de “assistencialização” a atenção dada às camadas mais pobres. Ela abordou algumas determinações e tensões no trabalho de assistentes sociais, como o conflito entre direito e concessão, esta pela herança política liberal conservadora.

 

Para encerrar a mesa, a professora Ivanete Boschetti defendeu uma atuação profissional que busque a emancipação humana, mas que as disparidades salariais, a precarização dos contratos de trabalho e a desregulamentação dos direitos não asseguram o exercício profissional que o projeto ético-político aponta para a categoria.

 

Diversidade sexual e identidade de gênero

A plenária apontou os desafios do serviço social nesta área. O professor da UERJ Guilherme Almeida falou da questão da identidade trans, relatando algumas experiências no atendimento a pessoas que passam por um processo transexualizador. Ele fez reflexões de como as políticas sociais brasileiras vem tratando o tema, e afirmou que o serviço social precisa de mais pesquisas nesta área.

 

Diversidade sexual e identidade de gênero foi tema de outra plenária simultânea (foto: Diogo Adjuto)Diversidade sexual e identidade de gênero foi tema de outra plenária simultânea (foto: Diogo Adjuto)

 

Em seguida, a conselheira do CFESS Marylucia Mesquita fez uma abordagem da heterossexualide compulsória como sistema de dominação ideológica que fundamenta as praticas opressoras de homofobia, lesbofobia e transfobia. Logo depois, ela destacou aspectos do projeto ético-politico profissional e da agenda política do Conjunto CFESS-CRESS sobre a livre orientação e expressão sexual e livre identidade de gênero. Ela falou que a prática afetivo-sexual tem duas dimensões, privada e pública, e que esta última é fundamental para o reconhecimento dos direitos humanos da população LGBT.

 

Para encerrar, o conselheiro do CRESS-SP Marcos Valdir abordou a potencial contribuição da categoria de assistentes sociais na afirmação da diversidade sexual e identidade de gênero, afirmando que o debate coloca o serviço social no caminho contrário à sociedade capitalista machista e homofóbica. Ele ressaltou também que é preciso fazer o enfrentamento da invisibilidade para a efetivação dos direitos.

 

Organização política da categoria

A plenária “A organização política dos/as assistentes sociais: em defesa do trabalho e da formação com qualidade” foi composta pela presidente do CFESS, Sâmya Ramos, pela presidente da ABEPSS, Regina Ávila, e pelo representante da ENESS, Jodeylson de Lima.

 

Um dos pontos de destaque foi o entendimento da organização política da categoria, que, segundo os/as palestrantes da mesa, só tem sentido com o fortalecimento de alianças com outros sujeitos e movimentos sociais que lutam por uma sociedade anticapitalista e radicalmente democrática. Um dos aspectos ressaltados nesse sentido foi a própria aliança entre o Conjunto CFESS-CRESS, a ABEPSS e a ENESSO, o que reafirma a importância da organização política na perspectiva da defesa do projeto profissional do serviço social brasileiro.

 

Além disso, a mesa também abordou a questão da vinculação da organização da categoria de assistentes sociais no Brasil à luta geral dos/as trabalhadores/as, o que reafirma o projeto ético-político do serviço social como um conjunto de princípios que não se restringem à defesa somente da profissão de assistente social, mas na defesa dos direitos da classe trabalhadora, destacando o papel fundamental da formação profissional de qualidade, com base nos princípios do projeto profissional, e seu rebatimento na atuação do/a assistente social.

 

Organização política da categoria, trabalho e formação com qualidade permearam debates de mais uma plenária (foto: Diogo Adjuto)

Organização política da categoria, trabalho e formação com qualidade permearam debates de mais uma plenária (foto: Diogo Adjuto)

 

Por fim, um outro elemento discutido foi a organização política como mediação para o enfrentamento da precarização da formação e consequentemente das condições de trabalho. Segundo os/as palestrantes, os/as assistentes sociais  precisam se organizar politicamente e se unir a outras categorias profissionais.  Assim, a luta em defesa dos direitos dos/as trabalhadores/as se fortalece e ganha novos sujeitos para a luta pela afirmação de um projeto de sociedade emancipatório.

 

Política de drogas

Em outro auditório, o tema dos debates foi a “Política de drogas: consensos, dissensos e direitos em debate – questões para o serviço social”, que trouxe a contribuição da assistente social e professora da Universidade Federal Fluminense Cristina Brites, da juíza Maria Lucia Karan e do coordenador do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Saúde Mental e Atenção Psicossocial (LAPS) da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/FIOCRUZ).

 

Entre as questões levantadas pela mesa, estão a terceirização e privatização da saúde pública, o que rebate diretamente nas políticas de saúde e assistência social e no atendimento aos/às usuários/as. De acordo com as palestras, é preciso fortalecer a preparação da rede socioassistencial para o atendimento e a abordagem de usuários, a partir de reflexões como o significado do espaço em que é feito o uso de drogas, o histórico social do usuário e suas motivações de uso.

 

Também permeou o debate a internação compulsória, recentemente estimulada e colocada em prática pelo Estado brasileiro, em uma nítida política higienista de limpeza social diante dos megaeventos.  Nessa perspectiva, foi analisada a intervenção de assistentes sociais, em face dos conflitos nos espaços de atuação, porém com o entendimento de que não se distingue a ética pessoal da ética profissional.

 

A política sobre drogas e seu rebatimento na intervenção de assistentes sociais também foi um dos temas do dia (foto: Diogo Adjuto)

A política sobre drogas e seu rebatimento na intervenção de assistentes sociais também foi um dos temas do dia (foto: Diogo Adjuto)

 

Um importante dado trazido pela mesa foi que, do ponto de vista jurídico, a internação compulsória não é legalmente obrigatória.  Ela está prevista pela Reforma Psiquiátrica, porém apenas em último caso, a partir de critérios específicos, uma vez que essa estratégia, tão visibilizada pela mídia conservadora, significa uma clara violação dos direitos da população usuária.

 

Estrangeiros/as marcam presença no CBAS

Em meio às diversas palestras e sessões temáticas, o CFESS, representado pelas/os conselheiras/os Esther Lemos, Maurílio Matos e Alessandra Souza, realizou uma reunião com seis assistentes sociais que vieram de Luanda (Angola), para conhecer a experiência do serviço social brasileiro e socializar os desafios da profissão no país africano. Para a assistente social angolana Anavilde Kasessa, foi uma excelente oportunidade para conhecerem como a profissão está organizada no país, tendo em vista que em Angola, a experiência do serviço social é recente. “Os cursos de serviço social no nosso país foram fechados por 30 anos, então temos o desafio de buscar nosso espaço. Vamos beber da experiência brasileira para que não tenhamos que passar pelas dificuldades que o serviço social brasileiro passou”, disse Anavilde, que também elogiou a organização política da categoria no Brasil.

 

Ao final, o CFESS e a ABEPSS, que se juntou ao grupo durante a reunião, afirmaram que vão cooperar, abrindo mais canais de diálogos nesse intercâmbio de experiências entre Brasil e Angola, a partir do próprio compromisso das entidades no âmbito das relações internacionais.

 

CFESS se reuniu ainda com profissionais de Angola e da Argentina, para socializar experiências (foto: Diogo Adjuto)CFESS se reuniu ainda com profissionais de Angola e da Argentina, para socializar experiências (foto: Diogo Adjuto)

 

Experiências nas Residências em Saúde

A tarde do terceiro dia de evento começou com sessões temáticas de apresentação de trabalhos e trouxe também a sessão de lançamento de pôsteres, com experiências de atuação de assistentes sociais em diversos espaços.

 

À noite, antes do chamado “Cine CBAS”, atividade com exibição de filmes para os/as participantes, houve a continuidade do debate sobre as Residências em Saúde. Dessa vez, o foco foram as experiências de inserção do serviço social nesse espaço, com a apresentação de experiências profissionais das assistentes sociais Letícia Batista, do Instituto Nacional de Câncer (INCA-RJ) e Thaísa Teixeira, da Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).

 

O terceiro dia do congresso foi encerrado com mais uma atividade cultural, que foi o Baile de Mascarados/as, com grande participação do público do evento. 

 

Confira mais fotos do terceiro dia do CBAS: 

 

Sessão de pôsteres teve a participação de grande número de participantes (foto: Diogo Adjuto)Sessão de pôsteres teve a participação de grande número de profissionais (foto: Diogo Adjuto)

 

Assistentes sociais apresentaram experiências de trabalho na atividade sobre Residência em Saúde (foto: Rafael Werkema)Assistentes sociais apresentaram experiências de trabalho na atividade sobre Residência em Saúde (foto: Rafael Werkema)

 

Leia também: 

 

Ética, questão social e saúde marcam as palestras do segundo dia do CBAS
 

Com três mil participantes, começa o 14º CBAS em Águas de Lindóia

 

Conselho Federal de Serviço Social - CFESS
Gestão Tempo de Luta e Resistência – 2011/2014
Comissão de Comunicação

 

Diogo Adjuto - JP/DF 7823
Rafael Werkema - JP/MG 11732

Assessoria de Comunicação
comunicacao@cfess.org.br